Portugal na rota da economia circular por um mundo mais sustentável

Formulário de pesquisa

Portugal na rota da economia circular por um mundo mais sustentável

Portugal na rota da economia circular por um mundo mais sustentável

O modelo da economia circular poderá substituir a curto, médio prazo o modelo tradicional económico, com vista a uma sociedade sem desperdício, alicerçada em práticas de produção e consumo sustentáveis. A implementação de medidas na Europa até 2030 terá um impacto positivo de 1,8 mil milhões de euros, permitirá a criação de 1 a 3 milhões de empregos e uma redução de 2 a 4% do total anual de emissões de gases de efeito de estufa.

A economia circular surge como uma alternativa mais eficiente do ponto de vista ambiental e da gestão de resíduos, numa lógica de economia sustentável. Com este modelo económico, alternativo à economia linear, não estamos apenas a produzir, consumir e gerar lixo, mas sim a reutilizar e a reciclar após o consumo. Ou seja, o capital extraído é preservado, restaurado e reintroduzido no sistema ciclicamente, gerando um maior retorno financeiro para o produtor, reduzindo custos de extração e importação de matérias-primas e os seus impactos nos ecossistemas), minimizando resíduos e as emissões associadas.

 

Em Portugal já se começam a dar os primeiros passos rumo à adoção de um modelo económico mais sustentável na cadeia de valor e para o ambiente, seguindo as diretrizes europeias legisladas desde 2015. Além dos apoios a projetos que visem a implementação de modelos de negócio, produtos ou serviços assentes no modelo da economia circular, há associações que estão no terreno com a missão de acelerar a transição para a economia circular no nosso país.

 

A Circular Economy Portugal – CEP, uma associação sem fins lucrativos, é um desses exemplos que têm contribuído para construir uma sociedade sem desperdício, assente em práticas de produção e consumo sustentáveis, fruto da ação colaborativa na criação de soluções para problemas socio-ambientais. A fundadora, Lindsey Wuisan, quis trazer para Portugal a experiência adquirida na Holanda, líder internacional em matéria de economia circular, onde esteve envolvida no primeiro programa de política nacional sobre economia circular.

 

A CEP acredita que, em Portugal, determinados setores críticos têm muito a ganhar com as abordagens da economia circular, nomeadamente no abastecimento e reutilização de água, sobretudo pelos problemas de escassez que se vão agravar, fruto da desertificação e das alterações climáticas. “O setor agrícola, o maior consumidor de água, tem perdas na ordem dos 37,5%. No que diz respeito à reutilização de água estamos muito atrás de Espanha ou de Itália. A agricultura nacional, que se debate com o problema da pobreza dos solos em matéria orgânica (70% das superfícies agrícolas), beneficiaria imenso de uma política séria de recolha e compostagem dos resíduos orgânicos domésticos”, defende Andreia Barbosa, membro da CEP.

 

Outro exemplo é o setor da construção, um dos maiores consumidores de materiais e dos que mais resíduos gera, contribuindo para 40% do total nacional. “Aqui é urgente introduzir estratégias de reutilização”, continua a representante da associação defensora da implementação da economia circular no nosso país.

 

Além disso, no caso específico de Portugal, a produtividade material do país é baixa, sobretudo quando comparada com a vizinha Espanha que cresceu 134% entre 2005 e 2015, enquanto o nosso país ficou nos 23%, sustenta a CEP. Geramos 1,10 euros de valor (PIB) por quilograma de matéria-prima utilizada, enquanto a média da União Europeia é de 2 euros. Na opinião de Andreia Barbosa é importante “introduzir estratégias que permitam reduzir a extração e entrada de materiais, e ao mesmo tempo aumentar o valor deles”.

 

Medidas da economia circular com impacto de 1,8 mil milhões de euros na Europa

 

A Comissão Europeia adotou, em 2015, um pacote legislativo destinado à transição para uma economia circular na União Europeia. Além das propostas legislativas sobre resíduos e metas destinadas a estimular o desvio de opções de eliminação e a reforçar a reutilização e a reciclagem, foi também elaborado um Plano de Ação para a Economia Circular como suporte a toda a cadeia de valor, desde a produção ao consumo, reparação, manufatura, gestão de resíduos e matérias-primas secundárias.

 

Os dados indicam que atualmente consumimos cerca de 62 mil milhões de toneladas de recursos por ano, dos quais apenas reciclamos 7%. Em 2050, iremos consumir entre 85 a 186 mil milhões de toneladas para alimentar uma economia global com 9 mil milhões de pessoas.

 

A implementação de medidas na Europa até 2030 terá um impacto positivo de 1,8 mil milhões de euros, de 1 a 3 milhões de empregos e uma redução de 2 a 4% do total anual de emissões de gases de efeito de estufa. Em Portugal, implementar esta estratégia pode permitir uma redução de cerca de 30% nas necessidades de matérias-primas, gerando um impacto positivo no Valor Acrescentado Bruto, estimado em 3,3 mil milhões de euros.

 

As metas da Comissão Europeia são ambiciosas: 80% para a reciclagem de resíduos de embalagens na UE até 2030; 65%, para os resíduos orgânicos até 2025 e ainda uma redução em 50%, resíduos alimentares produzidos e do lixo marinho até 2030. Em 2014, Portugal só reciclou 30% dos seus resíduos, bem abaixo da média europeia situada em 44%, e depositou quase metade de todos os resíduos em aterros (49% versus 28% de média da UE).

 

A CEP aplaude as propostas da UE com vista à implementação de medidas de dinamização da economia circular tendo, no entanto, algumas dúvidas quanto à “capacidade e ambição dos diferentes países para a tradução nas suas políticas nacionais das medidas do plano, e nomeadamente a hierarquização correta das prioridades: mais do que as metas de reciclagem importam as metas de redução dos consumos e de prevenção dos desperdícios”.